quinta-feira, janeiro 17, 2008

Floripes

Título Original:
"Floripes" (2007)

Realização:
Miguel Gonçalves Mendes

Argumento:
Miguel Gonçalves Mendes

Actores:
Selma Cifka – Floripes
João Sancho – Julião
João Salero – Quinzinho
Catarina Barros – Aninhas


A lenda de Floripes remonta aos tempos da Reconquista Cristã durante reinado de D. Afonso III, tendo os mouros sido vencidos e expulsos do território que é hoje o Algarve, quando corria o ano de 1249. O pai da bela Floripes terá partido sem a levar consigo, deixando-a enfeitiçada. Sozinha e triste, a moura caminhava pelas ruas da cidade de Olhão em busca de um homem que quebrasse o feitiço. Quem a quisesse “desencantar” a moura teria de atravessar o mar com uma vela acesa, mas se a chama se apagasse morria. Diz-se que ela terá levado à morte de muitos pescadores que seduzia.

O filme “Floripes” é uma junção de filme e documentário que gira em torno das crenças da população olhanense. O realizador mostra uma divertida recolha de opiniões dos olhanenses, que pela sua divergência, nos faz rir. O vocabulário das gentes de Olhão é tratado na perfeição, de tal modo que o sotaque e o uso de certas expressões como “móç, “dieb” e tantas outras tiveram de ser acompanhadas por legendas. É um filme interessante não só para os algarvios, mas também para espectadores de outras terras.

O filme de Miguel Gonçalves foi feito de uma forma descontraída, com uma das versões da história da moura Floripes, que se situa no tempo em que Olhão era ainda uma vila. A narrativa do documentário alterna com essa versão, interpretada por actores olhanenses, à excepção de Selma Cifka. Esta apresenta-nos uma interpretação bastante satisfatória da moura, conferindo-lhe mistério e sedução.

No fundo a história de Floripes serviu de pretexto ao realizador para registar as superstições, envolvendo elementos religiosos, o respeito pelo mar e o medo da morte de uma gente cuja vida está fortemente ligada ao mar. Olhão é conhecida como terra de pescadores.

O filme foi exibido pela primeira vez em Olhão em Abril de 2007 e passou pelos festivais de cinema Fantasporto (Porto) e Indie (Lisboa), tendo estreado em Faro, Olhão e Lisboa em meados de Dezembro. Desde então os algarvios, curiosos por verem um finalmente um filme sobre aspectos da região onde vivem, acorreram em massa aos cinemas da região, como o SBC Cinemas de Faro, onde está há quase um mês em exibição, muitas vezes sempre com salas cheias ou perto disso.

® Isabel Fernandes

1 Comments:

At 11:44 da manhã, Anonymous Ventura said...

Este post vai ter destaque no meu blog!
Ventura
http://aosabordamare.blogs.sapo.pt

 

Enviar um comentário

<< Home