quarta-feira, julho 20, 2005

Uma Casa no Fim do Mundo

Título Original:
"A Home at the End of the World" (2004)

Realização:
Michael Mayer

Argumento:
Keith Bunin & Michael Cunningham

Actores:
Colin Farrell – Bobby Morrow
Robin Wright Penn – Clare
Dallas Roberts – Jonathan Glover
Sissy Spacek - Alice Glover

Depois do popular As Horas, surge agora mais um filme inspirado numa obra literária de Michael Cunningham, Uma Casa no Fim do Mundo (A Home at the End of the World). O livro não é tão mediático como aquele que deu origem à elogiada película interpretada por Nicole Kidman, Julianne Moore e Meryl Streep, mas é, não obstante, um título interessante e absorvente.

Desta vez, o responsável pela adaptação ao grande ecrã não é Stephen Daldry mas o estreante Michael Mayer, encenador da Broadway que assim assinala a sua entrada em domínios cinematográficos. Infelizmente, não se pode dizer que este primeiro filme de Mayer seja particularmente bem-sucedido, uma vez que a transposição de uma obra literária exigente e complexa é aqui feita de forma pouco surpreendente e singular.

Uma Casa no Fim do Mundo é um drama que foca a relação de dois amigos de infância, Bobby e Jonathan, que crescem juntos numa pequena localidade do Ohio, nos anos 60, e voltam a encontrar-se anos depois numa Nova Iorque em mutação e efervescência. É já na idade adulta que conhecem Clare, uma mulher irreverente e pouco convencional, e com ela irão tentar formar uma família distinta dos padrões socialmente implementados, onde a amizade e o amor se imbricam e confundem.

O livro de Cunningham apresenta uma densa e subtil perspectiva sobre as relações humanas, os contrastes geracionais, a alteração de estilos de vida e as orientações sexuais, mas o filme de Mayer limita-se a ilustrar essas questões de modo ténue e pálido, raramente mergulhando no âmago das personagens. De facto, é sobretudo na construção de personagens que o filme falha, sobretudo nas interligações entre estes, pois Mayer não lhes injecta grande densidade emocional. Bobby assume aqui o papel de protagonista e orienta o rumo dos acontecimentos, originando uma secundarização das presenças de Jonathan e Clare, algo que não se manifestava no livro.

Colin Farrel encarna a personagem principal na idade adulta e, embora ofereça um desempenho competente, faz com que a peculiaridade de Bobby fique aquém do potencial. Dallas Roberts, Robin Wright Penn e Sissy Spacek asseguram a consistência do elenco, conseguindo gerar alguma carga dramática mas não a suficiente para elevar o filme acima da mediania.

Michael Mayer aposta numa estrutura narrativa demasiado episódica, com cenas geralmente curtas e apressadas, tornando Uma Casa no Fim do Mundo numa película fragmentada que só a espaços concede tempo para as personagens se revelarem. O realizador é eficaz na escolha da banda-sonora, fotografia, guarda-roupa e nas reconstituições de época, mas um filme não vive só destes elementos e este denuncia as fragilidades de um argumento desequilibrado e de uma irregular construção de personagens, tornando Uma Casa no Fim do Mundo numa primeira obra que prometia, mas cujo resultado não é dos mais fascinantes...

® Gonçalo Sá

4 Comments:

At 7:47 da tarde, Blogger Nuno Cargaleiro said...

de facto ofilme prometia mais... apesar de não ser das melhores obras do seu autor literário, prometia mais, e sobretudo, porque foi ele a fazer a adaptação do argumento... O que é que aprendemos?
Um mau realizador determina quase tudo.
O autor de uma obra literária nunca deve fazer a sua adaptação para cinema (lembrem-se de Anne Rice e a "Entrevista com o vampiro", prometia mais do que compriu)

 
At 2:10 da manhã, Blogger Gustavo H.R. said...

E pensar que, ano passado, coloquei esse como um dos prováveis nomeados ao Oscar de Melhor Filme. Fraco.

 
At 4:57 da tarde, Blogger gonn1000 said...

Nuno Cargaleiro: Pois, uma oportunidade desperdiçada...E "Entrevista com o Vampiro" também não é muito melhor, realmente...

Gustavo: Também tinha esperança de descobrir aqui um bom filme, mas desiludi-me. O livro é bem melhor...

 
At 7:49 da tarde, Blogger H. said...

fiquei um tanto desapontada com o filme... o livro é fabuloso mas a adaptação cinematográfica fica mto aquém... nada comparado com o filme «the hours»...

 

Enviar um comentário

<< Home