quarta-feira, julho 27, 2005

Antes que Anoiteça


Título Original:
"Before Night Falls" (2000)

Realização:
Julian Schnabel

Argumento:
Lazaro Gomez Carriles & Cunningham O'Keefe

Actores:
Javier Bardem – Reinaldo Arenas
Olivier Martinez – Lazaro Gomez Carriles
Johnny Depp - Bon Bon / Tenente Victor
Sean Penn - Cuco Sanchez


Antes de protagonizar o muito elogiado Mar Adentro, de Alejandro Amenábar, Javier Bardem assinalou uma das suas interpretações mais emblemáticas em Antes que Anoiteça (Before Night Falls), biopic do escritor cubano Reinaldo Arenas segundo a visão de Julian Schnabel (realizador-pintor que assinou também Basquiat, outra biografia sobre um artista controverso).

Contrariamente a múltiplos retratos edificantes que glorificam, de forma excessiva, a vida do biografado, Schnabel evita esses aparatos melodramáticos e aposta em tons mais realistas, não caracterizando Reinaldo Arenas como um mártir ou uma figura larger-than-life. Paralelamente, o cineasta contorna a previsibilidade e esquematismo de diversas biografias que não fazem mais do que ordenar cronologicamente acontecimentos-chave da vida do biografado, apostando antes numa narrativa não linear que permite uma maior aproximação ao âmago do protagonista.

Antes que Anoiteça proporciona um interessante olhar sobre o percurso de Arenas, figura perseguida e ameaçada pelo regime de Fidel Castro entre as décadas 50-70, situação que o forçou a emigrar para os Estados Unidos, onde acabou por morrer vítima de Sida.

Julian Schnabel consegue apresentar eficazmente os tormentos que assolavam o protagonista, cuja vida foi marcada por torturas e punições recorrentes enquanto se encontrava dentro das fronteiras do sistema cubano.
Os motivos desta perseguição eram, por um lado, a escrita subversiva e revolucionária de Arenas, denunciadora das debilidades do regime de Fidel Castro, e também a sua orientação sexual (o escritor era homossexual, factor que o tornava num elemento ainda mais entrópico e desestabilizador).

Schnabel oferece um absorvente estudo de personagem, mergulhando nas convulsões e inquietações do protagonista e na sua vida inconstante e de rumo imprevisível.
Javier Bardem encarna Arenas de forma brilhante e invulgarmente credível, numa interpretação que esmaga todas as outras (mesmo num elenco que inclui fugazes participações de Johnny Depp e Sean Penn).
Bardem gera momentos de fascinante tensão dramática, congregando as doses de pathos e a vertente marginal que a personagem requer.
De resto, o cuidado com a apresentação física da personagem é notável, expondo as múltiplas experiências conturbadas que a marcaram.
As distinções da National Society of Film Critics, dos Independent Spirit Awards e da National Board of Review, que classificaram a prestação do actor como a melhor de 2000, foram mais do que justas e merecidas.

O one-man show de Bardem faz, contudo, com que as restantes presenças do elenco assumam pouca relevância e não suscitem grande curiosidade, tornando o protagonista na única personagem tridimensional e bem trabalhada.
Tendo em conta que se trata de uma biografia, este aspecto é compreensível, até porque o actor é sempre entusiasmante, mas ainda assim lamenta-se que não se encontrem aqui mais figuras memoráveis.

A narrativa do filme sofre também de alguma debilidade, nem sempre exibindo solidez e coesão, o que faz com que Antes que Anoiteça proporcione duas horas de vibração e intensidade irregulares.
Schnabel compensa o desequilíbrio narrativo com um sóbrio trabalho de realização, que por vezes origina inspirados planos e imagens de assinalável beleza. O rigor estético é complementado pela apelativa fotografia e, sobretudo, pela muito apropriada banda-sonora original de Carter Burwell (e ocasionais contribuições de Lou Reed e Laurie Anderson).

Cru e realista sem deixar de ser emotivo, Antes que Anoiteça supera algumas das suas fragilidades devido ao óbvio empenho do realizador e do actor, que oferecem uma experiência cinematográfica honesta, sentida e credível.
Um bom drama e uma interessante perspectiva sobre a arte e a vida.

® Gonçalo Sá

2 Comments:

At 11:03 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Já tive oportunidade de conhecer Schnabel como pintor mas não como realizador. Foste capaz de me fazer interessar ainda mais pela sua faceta que ainda não descobri.
Qualquer dia...

Cumprimentos e parabéns pela crítica

 
At 5:24 da tarde, Anonymous S0LO said...

Não vi este, mas se a interpretação de Javier Bardem for metade da que foi em "Mar Adentro" já é meio caminho andado para fazer um bom filme :).

Cumps. cinéfilos

 

Enviar um comentário

<< Home