sexta-feira, agosto 11, 2006

Anjo ou Demónio

Título Original:
“Ôdishon” (1999)

Realização:
Takashi Miike

Argumento:
Daisuke Tengan

Actores:
Ryo Ishibashi – Shigeharu Aoyama
Eihi Shiina – Asami Yamazaki
Tetsu Sawaki – Shigehiko Aoyama


Vai algo longe a glória suprema atingida pelo cinema japonês via Yasujiro Ozu, Kenji Mizoguchi e principalmente Akira Kurosawa. Mas os idos menos antigos, não gozando do prestígio do passado referido, também não são material nada aconselhável a desprezar. Um exemplo gritante a demonstrar tal constatação é este fabuloso Anjo ou Demónio.

Shigeharu Aoyama é um solitário homem de meia-idade cuja mulher faleceu há uns bons anos, sendo que daí até ao presente vive com o agora filho adolescente, mantendo com o mesmo uma relação próxima e afectuosa. É então que decide que o período de viuvez tem de ver um término, para poder começar uma vida nova ao lado de uma mulher que tenha a cultura como qualidade. Para que tal situação seja almejada, um amigo seu, cineasta de profissão, trata de preparar uma audição para um filme inexistente, veículo para o comparecimento de várias mulheres há mesma (audição), onde, entre elas todas, Aoyama possa se interessar realmente por alguma. Ainda antes da prova se efectuar, já ele se tinha fascinado por Asami Yamazaki, visto ter estudado a sua ficha, com a qual ficou muito agradado. Quando vê Asami ao vivo e dialoga consideravelmente com ela durante a audição, então o encanto ainda é mais sentido. Com entusiasmo, decide investir nela, mas as aparências podem iludir…

Filme atípico (já lá vamos), Anjo ou Demónio é o típico filme que, ao julgar pelo trailer, e ao comprovar posteriormente o que realmente é, vai certamente ao encontro da desilusão por parte de mentes exclusivamente (e mal) habituadas a cinema anti-pausado, clamando desesperadamente por um ritmo bem mais veloz e inimigo da contemplação, características que estão longe de abundar na obra em questão.

Centrando-se essencialmente em contornos dramáticos, românticos e aterrorizadores, Anjo ou Demónio é uma obra de uma dimensão humana surpreendente, tendo em conta o tom catalogador do filme. Tal aspecto é evidente logo na cena inicial, onde um certo tom melancólico mergulha numa serenidade que se prolongará por muito tempo, mas sempre com o interesse ao rubro. O terror propriamente dito só toma lugar praticamente no último terço do filme, com cenas fortes, de uma violência chocante, mas com uma captação muito requintada.

Provido de um grande humanismo a nível de trabalho de personagens, Anjo ou Demónio também acerta no capítulo da interpretação. Eihi Shiina, no papel de Asami, está brilhante. Linda e inocente, qual mulher de sonho compreensivelmente desejada por Aoyama, também consegue expor crueldade convincentemente, impressionando com vigor e nunca destoando nesta surpreendente e ambígua encarnação. Já Ryo Ishibashi, como Aoyama, está competente o suficiente para a empatia com o espectador não estar em causa.

A ajudar na humanização da película está a sua banda sonora, não marcante no sentido de possuir uma delineação de ritmos muito apurada, mas sim na maneira como os seus sons certeiramente espalham candura, beleza e doçura etéreas por cenas que é disso que mais precisam. Também há um excelente uso de acertados e sentidos planos longos e estáticos, comprovativos de que um filme humano como este não perde na aposta da contemplação e no requerimento de atenção, eliminando o possível aborrecimento que podia advir de um uso despropositado e inconsequente de tal técnica.

E quando o filme acaba, o sentimento está perturbado por experiência cinéfila tão desconcertantemente assustadora, mas é certo que o mesmo também diz-nos que valeu muito a pena, principalmente quando os últimos segundos que presenciamos são de uma comoção deveras tocante.

® Artur Almeida

3 Comments:

At 2:23 da tarde, Blogger cine-asia said...

Brilhnate filme de um dos mais consagrados cineastas japoneses Takashi Miike.

Já agora, vejam mais uma crítica a Audition no cineasia.

http://cineasia.blogspot.com/2005/11/audition-odishon.html

Cumprimentos,

Sérgio Lopes

 
At 8:24 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Tenho o dvd do filme em casa, já há algum tempo..mas ainda não tive oportunidade de ver. A crítica aguçou o apetite eheh

Abraço
André

 
At 3:31 da manhã, Anonymous Artur Almeida said...

Olá,

Sérgio: é mesmo brilhante o filme, o que me fez ficar com ainda mais vontade de ver o "Ichi The Killer" também do Miike. E Sérgio, já agora digo-te que, se quiseres, estás à vontade para usar esta minha crítica no cineasia.

André: ainda bem que a crítica te motivou mais a vê-lo e, quando o fizeres, lembra-te que é 1 obra atípica. Já agora, se o fizeres nestes dias, podes muito bem vir exprimir aqui o que achaste do filme.

Cumprimentos aos 2

 

Enviar um comentário

<< Home