terça-feira, maio 10, 2005

Deus é Brasileiro

Título Original:
"Deus é Brasileiro" (2003)

Realização:
Cacá Diegues

Argumento:
João Ubaldo Ribeiro
Cacá Diegues

Actores:
António Fagundes – Deus
Wagner Moura – Taoca
Paloma Duarte - Madá


Como o próprio nome indica, Deus é Brasileiro é um filme oriundo do Brasil e é baseado num conto do escritor João Ubaldo Ribeiro. A acção conta a história do dia em que Deus decidiu vir à Terra (nordeste brasileiro) procurar um santo-que-não-sabe-que-é-santo chamado Quincas das Mulas, de modo a que este o substitua por uns tempos na sua função de Todo-Poderoso. E nesta odisseia de um dia Deus encontra a ajuda de duas personagens: o típico brasileiro malandro chamado Taoca, que vê nesta função de ajudante a oportunidade de obter algum milagre na sua vida; e posteriormente a solitária Madá, uma jovem desencontrada na vida que fica fascinada pela figura de Professor (Deus). E dai até ao fim do filme, o desenrolar não é propriamente o do costume ...

À primeira vista pode parecer que António Fagundes, enquanto astro e ícone da televisão e cinema brasileiro, é o principal foco de atenção desta película. Porém, a verdade é que no papel de Todo-Poderoso, António Fagundes deixa muito a desejar. O Deus presunçoso e meio stressado que o actor desenvolve ao longo do filme não transmite nenhuma grama de carisma, e isso é frustrante. Houve aqui a oportunidade de finalmente vermos Deus a falar português no grande ecrã, e devido a um conjunto de factores da construção da personagem (diálogos, guarda-roupa, actor, …), essa chance foi por água abaixo, infelizmente.
A acompanhar António Fagundes numa prestação pouco ou nada convincente está Paloma Duarte. Não se percebe a olho nu a inserção dela em Deus é Brasileiro, pois presente mas ausente de qualquer ligação que desenvolva o enredo, Paloma Duarte leva o espectador a pensar, quiçá, que aquele papel é fruto de uma amizade com o realizador. Esta é a única razão plausível que se encontra para compreender o porquê de Paloma desfilar por ali, no papel da estranha e cansativa Madá.
Porém, este filme não tem só interpretações medíocres. A contrariar esse facto está o actor Wagner Moura, no papel de Taoca, uma personagem que capta a atenção do espectador e que se torna a figura central da película, apesar desse papel ser o de Deus. A personagem, engraçada e humilde, fica com os holofotes e é a única que consegue impingir interesse ao filme. Uma surpresa agradável no mundo da representação brasileira, e que é, talvez, o único foco de interesse que pode atrair alguém a ver Deus é Brasileiro somente pela representação dos actores.

Um dos poucos aspectos verdadeiramente positivos do filme são os cenários, que mostram turisticamente o que de mais rústico e nacional existe no Brasil do nordeste. Imagens de seca e de mata misturam-se na película com a simplicidade e fé do povo, e proporcionam uma belíssima fotografia de qualidade a quem vê.
Porém, os aplausos em Deus é Brasileiro vão maioritariamente para os efeitos especiais. Com truques fictícios de fazer rivalidade a Hollywood, a produção triunfou nesse aspecto, que aliás não é comum de se ver em cinema falado em português, tanto aqui como no Brasil. Uma mais valia par ao filme e cinema brasileiro, com certeza.

Resumidamente, Deus é Brasileiro é uma obra que falha um pouco enquanto filme. A película não segue uma ordem narrativa aceitável, gira entre o cómico, o sério, o poético e o postal turístico, mistura religião com personagens desinteressantes, e está cheia de acontecimentos que em nada contribuem para o desenvolvimento da história, e tornam este filme fatigante demais para quem busca encontrar interesse na cinematografia brasileira. Fagundes e Paloma funcionam como isca para espectadores desinformados, mas mesmo com o visionamento do filme o interesse não aparece, a não ser, como já disse, pela prestação de Wagner Moura.

Já vi outros filmes brasileiros no passado, e admito que é um cinema que me agrada. Contudo, assim como qualquer país com uma indústria cinematografia, umas vezes publica pérolas, e outras pedras. E infelizmente, para muita pena minha, Deus é Brasileiro não é uma pérola.

® Fábio Guerreiro

2 Comments:

At 2:27 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Deus é Brasileiro é um ótimo filme, e eu também adorei a performace de Wagner Moura

 
At 2:23 da manhã, Anonymous Anónimo said...

QUAL É O FIM DO FILME??? QUEM DEUS ESCOLHE?????

-Laura

 

Enviar um comentário

<< Home