segunda-feira, abril 10, 2006

De Olhos Bem Fechados

Título Original:
"Eyes Wide Shut" (1999)

Realização:
Stanley Kubrick

Argumento:
Stanley Kubrick, Frederic Raphael & Arthur Schnitzler

Actores:
Tom Cruise - Dr. William 'Bill' Harford
Nicole Kidman - Alice Harford
Todd Field - Nick Nightingale
Madison Eginton - Helena Harford
Sydney Pollack - Victor Ziegler


Alice, decoradora de arte (Nicole Kidman), é casada com o doutor Bill Harford (Tom Cruise). Juntos formam um casal perfeito. Porém, depois de participarem numa festa, Alice confessa ter-se sentido atraída e até ter tido fantasias sexuais com outro homem. Os dois começam a discutir e Bill decide sair para uma caminhada nocturna onde encontra o seu amigo, o pianista Nick Nightingale. Sem saber Bill irá embarcar num mundo de fantasias e jogos sexuais nessa noite…

Trata-se do último filme do genial realizador Stanley Kubrick, na minha opinião, o mais brilhante realizador de todos os tempos. Na sua última película conta com um duo de protagonistas de peso, nada mais nada menos que o casal (separaram-se pouco depois do término do filme) Tom Cruise/Nicole Kidman.

Embora dividindo opiniões, Eyes Wide Shut é um dos melhores filmes de Kubrick. Aliás não existem filmes maus do cineasta, tendo passado por todos os géneros com distinção. Com o seu último filme, Kubrick explora os meandros da sexualidade, criando um ambiente de tensão baseada na componente sexual, durante toda a película.

O resto é o mesmo de sempre nos filmes de Kubrick… Cenários cuidadosamente escolhidos, planos de câmara com lentes grande angular de extrema beleza, realização sublime e direcção de actores fabulosa. Nunca se viu Cruise e Kidman a representarem personagens com uma densidade emocional tão complexa como em Eyes Wide Shut. Para além do ambiente de tensão criado, Kubrick baseia-se em diálogos mais ou menos longos, mas a fluidez da narrativa nunca esmorece. Por alguma razão o cineasta é denominado de “O Perfeccionista”. Destaque para a banda sonora sublime e psicadélica a espaços, que acompanha na perfeição o que se pretende transmitir.

Eyes Wide Shut, foi o primeiro filme que vi de Stanley Kubrick. Devo dizer que quando o assisti, houve cenas (como a da orgia), onde literalmente ficou um silêncio descomunal entre os espectadores. Porque Kubrick tem o dom de mexer com os nossos sentidos e ninguém fica indiferente a um filme do malogrado cineasta. A música tocada ao piano por Nick Nightingale, por exemplo, não me saiu da cabeça durante dias. É em simultâneo, bela e tocante, bem como assustadora e bizarra.

Em última análise, é difícil classificar Eyes Wide Shut. No final do filme perguntamo-nos: É sobre quê? Será sonho ou realidade aquilo que vemos a acontecer no écrân. O filme é de uma complexidade emocional tal, que dificilmente o conseguimos classificar. Conseguimos, isso sim, ficar fascinados por mais uma obra (infelizmente a última – Kubrick faleceu pouco antes do filme estrear), deste fabuloso cineasta. Vale a pena visionar. Embora não seja para todos os gostos.

® Sérgio Lopes

2 Comments:

At 2:04 da tarde, Anonymous Andreia Monteiro said...

UM excelente filme, como só Kubrick nos poderia dar...de facto, nunca Cruise e Kidman estiveram tão bem no cinema, e raramente um filme tem o dom de nos remexer as entranhas como este. Um excepcional retrato dos instintos humanos mais básicos, e do jogo de máscaras e sordidez que são muitas vezes as relações afectivas.

 
At 9:09 da manhã, Blogger cine-asia said...

Pois é cara Andreia... Que mais se poderá dizer de Kubrick? É o verdadeiro mestre!

Cumprimentos,

Sérgio Lopes

 

Enviar um comentário

<< Home