quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Virgem aos 40 Anos

Título Original:
"The 40 Year Old Virgin" (2005)

Realização:
Judd Apatow

Argumento:
Judd Apatow & Steve Carell

Actores:
Steve Carell - Andy Stitzer
Catherine Keener - Trish
Paul Rudd - David
Romany Malco - Jay


Primeira longa-metragem de Judd Apatow – criador da série de culto Freaks and Geeks -, Virgem aos 40 Anos é mais um filme norte-americano que, à semelhança do recente Os Fura-Casamentos, combina traços de comédia romântica com um tipo de humor algo escatológico e de gosto duvidoso.

Andy é um pacato homem de 40 anos que vive e trabalha nos subúrbios, mantendo um dia-a-dia marcado por uma rotina entre a casa e o trabalho, raramente alterando a rotina e possuindo uma escassa vida social. Contudo, o seu quotidiano altera-se significativamente quando os seus colegas descobrem que ainda é virgem e logo passam a criar múltiplos planos para que Andy coloque um fim a esse estado.

Com este ponto de partida, Virgem aos 40 Anos não se distingue muito de inúmeras comédias descartáveis que surgiram nos últimos anos, tendo American Pie – A Primeira Vez, de Paul Weitz, como fonte inspiradora e apostando em situações pouco criativas, repetindo clichés com cenas de um humor grosseiro, forçado e óbvio.

No entanto, Apatow comprovou já em trabalhos anteriores para a televisão que conseguia gerar boas cenas cómicas com frescura e espontaneidade q.b., evitando caminhos mais fáceis e já esgotados. Em Virgem aos 40 Anos o realizador continua a manter essa eficácia, mas por vezes cede também à banalidade, tornando-se cansativo e redundante (como na desbragada, e demasiado longa, sequência da depilação).

O filme não inventa nada, mas é um aceitável divertimento que assenta num elenco competente – Steve Carell é um protagonista com quem é fácil sentir empatia e Catherine Keener cumpre no papel de interesse romântico – e numa construção de personagens um pouco mais aprofundada do que na maioria dos filmes do género (embora haja ainda secundários subaproveitados).

A película contorna ainda certos lugares comuns ao incluir, por detrás dos muitos gags e episódios esgrouviados, um curioso olhar sobre o crescimento e a maturidade, debruçando-se sobre os dilemas e contradições de um grupo de cativantes losers descoordenados.

Contando com uma segura gestão do ritmo, raramente caindo na monotonia, Virgem aos 40 Anos oferece uma quantidade apreciável de cenas hilariantes e um argumento que, apesar de formulaico, é suficientemente apelativo.
Infelizmente, Apatow não é tão bem sucedido no trabalho de realização, uma vez que a cinematografia não possui quaisquer elementos de singularidade ou ousadia, optando por uma lógica linear e convencional que não esconde as origens televisivas do realizador.

De qualquer forma, apesar das suas limitações Virgem aos 40 Anos resulta enquanto entretenimento simpático - a espaços contagiante, noutros algo tosco -, tornando-se numa proposta recomendável para quem procure um filme leve e despretensioso. Já não é mau…

® Gonçalo Sá

1 Comments:

At 5:35 da tarde, Anonymous Eliel said...

O filme é de humor nerd. Dá pra dar boas risadas, mas o humor é de um gênero com poucos bons fãs.

 

Enviar um comentário

<< Home