quarta-feira, maio 10, 2006

O Fiel Jardineiro

Título Original:
"The Constant Gardener" (2005)

Realização:
Fernando Meirelles

Argumento:
John le Carré, Jeffrey Caine & Bráulio Mantovani

Actores:
Ralph Fiennes - Justin Quayle
Rachel Weisz - Tessa Quayle
Hubert Koundé - Arnold Bluhm
Danny Huston - Sandy Woodrow


O Fiel Jardineiro não é propriamente a película que se esperaria de Fernando Meirelles, uma vez que se trata de uma co-produção britânica e alemã, conta com actores mediáticos (Ralph Fiennes e Rachel Weisz) e baseia-se num romance de John Le Carré, oferecendo uma intrigante mistura de drama intimista, thriller político e road movie.
Não está, à partida, muito próximo de Cidade de Deus - foi feito com meios mais limitados, recorrendo a um elenco maioritariamente amador -, mas por detrás da capa de “filme de prestígio” (já há quem o considere um dos incontornáveis na próxima edição dos Óscares) a espontaneidade e ousadia temática e formal da primeira obra do realizador brasileiro acabam ainda por se repetir.

Um olhar sobre o continente africano e o seu papel num cenário mundial actual cada vez mais marcado pela globalização, O Fiel Jardineiro centra-se no relacionamento entre Justin, um diplomata sério e recatado (e jardineiro nas horas vagas), e a sua esposa Tessa, uma jornalista cujo forte idealismo e activismo lhe geram alguns problemas, conduzindo ao seu abrupto assassínio.

Mesclando linhas temporais distintas, o filme foca, por um lado, o início e dia-a-dia da relação do par protagonista e, por outro, a tentativa de resolução do mistério da morte de Tessa por parte de Justin.
Pelo meio, há ainda uma perspectiva quase documental sobre as contrariedades da subsistência em países do terceiro mundo, em particular sobre o Nairobi, local onde decorre grande parte da acção (contrastando com os ambientes urbanos de Londres, a outra cidade-chave do filme), assim como uma crítica a aspectos algo dúbios dos métodos da indústria farmacêutica.

Ora mergulhando no abismo emocional de Justin, que redescobre Tessa após a morte desta, ora gerando um retrato do tecido social do Quénia, a película surpreende ao proporcionar momentos de uma inesperada introspecção, como aqueles que envolvem a bela história de amor que aqui de (des)constrói.

Ralph Fiennes e Rachel Weisz compõem duas personagens envolventes e complexas, tornando-se num par romântico algo atípico, dada a divergência de pontos de vista, mas que possuem, afinal, mais elementos em comum – como Justin descobre - do que se julgaria inicialmente. Fiennes, contido e meticuloso, prova porque é que é um dos grandes actores de hoje, e Weisz encanta e comove ao afastar-se de alguns papéis anteriores que não faziam jus ao seu (agora) notório talento interpretativo.

Apostando aqui num ritmo mais apaziguado do que em Cidade de Deus, Meirelles não deixa, no entanto, de esculpir cenas com bastante energia, pois a carga dramática do filme é absorvente e a realização continua inventiva, recorrendo a enquadramentos bem conseguidos e a uma montagem fluida. Os tons crus e realistas mantêm-se, e certas sequências filmadas nos bairros de Nairobi aproximam-se da aspereza, texturas e explosão de cores das atmosferas das favelas brasileiras, excepcionalmente trabalhadas na primeira obra do cineasta e confirmando-o como um criativo esteta.

Mesmo não sendo uma obra-prima, O Fiel Jardineiro é um título maduro e relevante, que consegue apresentar uma postura humanista e crítica sem enveredar pelo choradinho fácil e oportunista nem reduzir as suas personagens a meros joguetes sem substância que apenas servem uma causa.
Noutras mãos, este material poderia ter originado um filme óbvio e panfletário, mas Fernando Meirelles soube abordá-lo com subtileza e engenho. Não chega a ser um murro no estômago tão devastador como Cidade de Deus, mas ainda tem atributos muito recomendáveis.

® Gonçalo Sá

4 Comments:

At 9:55 da manhã, Blogger Knoxville said...

Eu por acaso sou dos poucos que gostei muito mais deste Fiel Jardineiro do que do Cidade de Deus. Não em termos técnicos, em que Cidade de Deus é uma obra fora-de-série, mas em termos sentimentais. Este filme tocou-me, Cidade de Deus não.

Um abraço Gonçalo.

 
At 11:47 da manhã, Blogger gonn1000 said...

Pois, já sabia. Eu gostei de ambos, mas filmes como "Cidade de Deus" não há muitos.

 
At 10:53 da tarde, Anonymous evcine said...

Até ao momento ainda não tive a oportunidade de ver este filme O Fiel Jardineiro e nem mesmo o Syriana que também falas no post seguinte.

Em relação ao Fiel Jardineiro fui sempre adiando mas tenho imensa curiosidade em ver este filme. Agora que já saiu em DVD irei aluga-lo o quanto antes e ver se realmente é tão bom como tantos dizem. Eu acho que sim, vou gostar! Em relação ao Syriana, quanto a esse tenho as minhas dúvidas...

Abraços!!

 
At 1:44 da manhã, Blogger gonn1000 said...

Gostei mais d'"O Fiel Jardineiro", embora "Syriana" também seja um filme interessante. Não fui eu que escrevi o post seguinte, mas concordo com praticamente todo o texto da Andreia.

 

Enviar um comentário

<< Home