domingo, maio 01, 2005

América Proibida

Título Original:
"American History X" (1998)

Realização:
Tony Kaye

Argumento:
David Mckenna

Actores:
Edward Norton - Derek Vinyard
Edward Furlong - Danny Vinyard
Beverly D'Angelo - Doris Vinyard


Derek Vinyard (Edward Norton) é um skinhead, um convicto neo-nazi respeitado pela comunidade que consegue reunir graças à sua capacidade oratória que os influencia através de uma filosofia de ódio e atitudes racistas contra os negros, judeus e hispânicos residentes nos E.U.A. Depois de assassinar dois indivíduos negros que tentavam assaltar-lhe o carro e a casa é preso, uma das cenas mais chocantes de todo filme é justamente a forma como mata um deles, sempre com um sorriso e os olhos lunáticos fixos no irmão mais novo que assiste a tudo, Danny (Edward Furlong, que se estreou em o Extreminador Implacável 2).

Passados três anos Derek é libertado. Nesse dia Danny é chamado pelo director do liceu por ter feito um trabalho sobre Mein Kampf de Hitler, no qual defendia as ideias racistas deste. Consciente de que Danny está a seguir as pisadas do irmão, que fora seu aluno, decide dar-lhe uma última oportunidade para não ser expulso do liceu. Propõe-lhe que faça um trabalho sobre as circunstâncias que levaram Derek a ser preso e a forma como isso o influenciou a ele. O título desse trabalho é o título do filme: American History X. É o olhar de Danny que nos conduz durante o filme.

Antes de mais gostaria de destacar não só o bom trabalho de Tony Kaye, não só realizador do filme, mas também director de fotografia e que nos apresenta uma alternância entre as cenas a preto e branco – em que Derek ascende a líder da organização neo-nazista, comete o crime que o leva à prisão, a sua vida na prisão, e as cenas a cores que giram em torno do seu drama em tentar tirar o irmão da organização.

Esperando poder livrar-se dos skinheads e da vida que levava, Derek (um homem mudado pelo sofrimento que passou na prisão, incluindo uma humilhante violação) descobre que isso não será fácil e luta desesperadamente para que o irmão não cometa os mesmos erros que ele. O filme relata também o impacto profundo do ódio que começa a destruir a família, descobrimos que não partiu só de Derek, mas do seu pai, bombeiro e um notório racista, que morreu baleado enquanto tentava apagar um incêndio num bairro habitado por negros.

América Proibida, uma boa adaptação do título original para português, é de facto um filme que retrata de forma directa e tocante um outro lado da América em relação ao qual muitas pessoas preferem fechar os olhos, essa América Proibida é a América dos conflitos raciais entre brancos e negros retratados ao longo do filme. A violência e o preconceito estão em todo o lado: no colégio de Danny, nos espaços públicos que as duas comunidades disputam, até na prisão onde Derek cumpriu pena: os reclusos eram de várias raças, especialmente negros, o que se torna amigo dele foi preso por roubar uma televisão!

Por outro lado, a adesão dos jovens às ideologias neo-nazistas é um factor a terem conta nos dias de hoje não só na América, como por exemplo no Brasil e nos países ricos da Europa. Não é portanto um facto isolado. Daí que discorde de alguma críticas que li e que diziam que este é apenas mais um filme nacionalista da indústria cinematográfica americana e que é o filme anti-nazista mais nazista dos últimos tempos. Este não é um filme perfeito, mas não é indiferente e sim realista e polémico que alerta para os factores que acima referi.

O trágico final do final do filme também é criticado, embora eu não imaginasse outro, mas deixo isto ao critério de quem vir.

® Isabel Fernandes

6 Comments:

At 6:46 da tarde, Anonymous Joana said...

sem duvida um dos melhores filmes que ja vi..

 
At 4:55 da tarde, Anonymous Anónimo said...

um filme excelente..
U final è um pouco injusto..
U filme tratada muito bem o racismo!
um filme excelente !**

 
At 3:34 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É 1 final pouco injusto,mas da uma grande lição a meu ver.
Na minha opinião,este final,explica que violência gera violência:Ou seja neste caso os brancos skineads maltratavam os negros,e no final deu-se o inverso

 
At 7:04 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Adorei o filme...
Gostava de saber onde o posso comprar?
ja procurei por todo o lado mas ñ encontro

 
At 3:42 da tarde, Anonymous Anónimo said...

no meu ver este filme é uma lição de vida em que o branco neste caso entendeu que todas as pessoas sao necessarias nao so pela aparencia... um filme muito bem criado excelente *****

 
At 6:33 da tarde, Blogger inês said...

Revi América Proibida hoje à tarde. É um filme notável e discordo das interpretações de que se trata de um filme anti nazi mais nazi do que qualquer outro. Parece-me que a América é assim. Cheia de feios porcos e maus, sejam brancos ou pretos!
Os desempenhos são excelentes. De E Norton não se espera menos. Há cenas de uma densidade ideológica notável
!

 

Enviar um comentário

<< Home