sexta-feira, outubro 07, 2005

Uma Canção de Amor

Título Original:
"A Love Song for Bobby Long" (2004)

Realização:
Shainee Gabel

Argumento:
Shainee Gabel & Ronald Everett Capps

Actores:
John Travolta - Bobby Long
Scarlett Johansson - Pursy Will
Gabriel Macht - Lawson Pines


No meio de uma New Orleans pacata e de uma pasmaceira completa surge-nos uma história fascinante pelo olhar da realizadora em ascensão Shainee Gabel, que conta com um John Travolta velho e rabugento e uma Scarlett Johansson rapariga do campo mas com o brilho encantador.

Entre disputas, amizades e descobertas somos atraídos para um enredo simples mas com enorme profundidade moral e emocional. John Travolta aparece transformado e num papel diferente do habitual. Não é mais o sex-symbol com muito glamour – como aconteceu no recente filme Be Cool – mas encarna Bobby Long. Um velho de cabelo totalmente branco, rabugento que vive no maior despojamento material, sem qualquer preocupação estética, embrulhado nos seus antigos livros, nas suas memórias e nos seus autores literários preferidos.
Com o título original de A Love Song for Bobby Long, o espectador cresce à medida que as três personagens principais crescem umas com as outras, se conhecem e desconfiam menos umas das outras. É um filme que vai cativando em crescendo, tornando-se cada vez mais interessante, intenso e apaixonante. Baseado no romance de Ronald Capps, conta-nos a história de dois homens que se sentem acabados, e de uma jovem que procura mudar a sua vida.

Pursy, 18 anos, regressa, depois de muitos a anos de ausência à sua terra natal, após a morte da mãe. Para trás deixa um emprego e um namorado no mínimo pouco adequados. Pursy não consegue chegar a tempo do funeral e quando julga que pode ficar em casa da mãe e viver, dois homens já habitam nela há alguns anos – amigos da mãe. Bobby e Lawson (Gabriel Macht, um actor subtil mas interessante e eficaz) conhecem Pursy de quando ela era uma criança, mas Bobby revela-se desde logo hostil para com a jovem, com receio de ser expulso da casa. Os três vão viver debaixo do mesmo tecto contra as suas vontades mas oferecendo ao espectador uma espécie de irmandade invulgar e apetecível.
Mas à medida que surgem as primeiras discussões começam também a existir as primeiras cumplicidades e a amizade toma conta da hostilidade inicial. Bobby é um ex-professor alcoólico acabado, angustiado e com traumas, enquanto Lawson é um seu ex-aluno também com traumas - alguns deles em comum com Bobby - e que há já nove anos tenta escrever um livro sobre o velho professor.
Pursy vai descobrir mais sobre a vida intensa e que apaixonava todos à sua volta da mãe com a ajuda de Bobby e Lawson. Uma ajuda algo reticente mas muito eficaz que vai desencadear algumas surpresas um pouco previsíveis mas bem conseguidas para o final do filme. No meio da pasmaceira a música típica de New Orleans, os cigarros e o álcool são elementos constantes nas personagens, que se entretêm com o que existe por perto e com a experiência acumulada dos velhos livros da mãe de Pursy e do professor de inglês resmungão.
Os dois homens muito literados e cujo passatempo é citarem autores como Dylan Thomas, T.S. Elioth, George Sand, entre outros (Bobby também canta músicas country frequentemente), têm em comum alguns traumas do passado e procuram, juntos vão influenciar Pursy a terminar o liceu, enquanto a jovem vai mudar as suas vidas incutindo-lhes esperança e vontade de viver.

Neste encontro entre duas gerações de sex-symbols – Travolta e Johansson –, os pormenores dão brilho à localidade pacífica.
O morder dos lábios de Scarlett, a relação gradual e apaixonante dos três que representam gerações diferentes, as danças (bem longe de Saturday Night Fever) entre Travolta e Johansson, os vestidos de Scarlett são os pedaços de filme que mais apaixonam. Sem esquecer que as relações humanas são tão complexas quanto interessantes, mesmo nos locais mais inóspitos para se viver. É uma história tão simples quanto fascinante.

® João Tomé

5 Comments:

At 12:01 da tarde, Blogger Daniel Pereira said...

Uma grande surpresa que este ano nos revelou. Uma realização tão subtil como agradável e actores em cheio - grande John Travolta, este homem é actor.

 
At 1:10 da tarde, Anonymous Paula e Rui Lima said...

Um filme simplesmente maravilhoso, com um trio de interpretações, simplesmente espantoso... a personagem criada pelo Travolta é comovente em toda a sua revolta. Mais uma vez Eduardo Serra assina uma excelente direcção de fotografia.
Saudações Cinéfilas!

 
At 1:12 da manhã, Blogger gonn1000 said...

Belo filme, com um trio de actores em estado de graça. Concordo com a classificação atribuída.

 
At 1:37 da manhã, Anonymous S0LO said...

Um dos 10 melhores do ano, no doubt about it :)!

Cumps.

 
At 9:45 da manhã, Anonymous ahelenadetroia said...

A este filme, que considero uma excelente surpresa, talvez desse ainda mais uma ou duas estrelas. A relação entre os três protagonistas está perfeitamente construída, com destaque para John Travolta , que está aqui provavelmente num dos papéis da sua vida. Um filme de uma beleza poética, desarmante, que nos deixa um travo doce de desencanto...mas de satisfação, ao mesmo tempo.

 

Enviar um comentário

<< Home