quarta-feira, dezembro 21, 2005

Charlie e a Fábrica de Chocolate

Título Original:
"Charlie and the Chocolate Factory" (2005)

Realização:
Tim Burton

Argumento:
John August, baseado na obra de Roald Dahl

Actores:
Johnny Depp - Willy Wonka
Freddie Highmore - Charlie Bucket
Deep Roy - Oompa Loompa


Um dos cineastas que, ao longo dos anos, tem definido e cimentado um universo próprio e repleto de sinais particulares, Tim Burton possui uma filmografia interessante mas também algo irregular, como as suas obras mais recentes – os pouco convincentes O Planeta dos Macacos ou O Grande Peixe - puderam atestar.

Charlie e a Fábrica de Chocolate, a sua película mais recente, adapta o livro infantil homónimo de Roald Dahl e segue as peripécias de Charlie Bucket, um rapaz britânico pobre fascinado pela fábrica de chocolates Wonka (os melhores do mundo) e que ganha, numa tablete, um bilhete que lhe permite visitá-la.
Este prémio, partilhado por apenas mais cinco crianças em todo o mundo, abre-lhe as portas para um mundo envolto em mistério, uma vez que ninguém sabe como são os interiores da fábrica e o seu proprietário, Willy Wonka, é um multimilionário intrigante e atípico.

Misto de fantasia, drama familiar, comédia agridoce e mesmo algum suspense, Charlie e a Fábrica de Chocolate recupera a bizarria e excentricidade que tornaram Burton num realizador singular mas que já não se encontravam muito presentes nas suas últimas obras.
Felizmente, o cineasta reintroduz aqui a imaginação delirante, o desregrado humor negro e os envolventes ambientes góticos que o destacaram, tornando este no seu melhor filme desde o subversivo Marte Ataca!.

Seguindo os modelos clássicos de uma fábula, onde o Bem triunfa sobre o Mal, sendo a virtude alvo de recompensa, Charlie e a Fábrica de Chocolate condimenta esta vertente algo maniqueísta com uma aura nonsense e ambígua que se encontra nas melhores películas de Burton.
Willy Wonka é um dos mais conseguidos elementos essa estranha peculiaridade, onde Johnny Depp compõe uma invulgar personagem cuja imagem contém tanto de Michael Jackson (!) como de José Castel-Branco (!!), escondendo-se por detrás de uma máscara de ironia que será derretida pelo calor emocional do jovem Charlie.

Apropriado para um público dos 7 aos 77, Charlie e a Fábrica de Chocolate é suficientemente ambivalente e ultrapassa territórios de um mero conto infantil, possibilitando mais do que uma leitura e focando temáticas que vão desde a desigualdade social às tensões das relações familiares, e Burton é especialmente incisivo na denúncia de alguns dos hábitos actuais das crianças (desde o egoísmo à excessiva competitividade, passando pela dependência de videojogos e da televisão).

Lúdico e pertinente, o filme cativa ainda pela soberba criatividade visual, especialmente inspirada nas surpreendentes atmosferas dos interiores da fábrica, propícios a uma imaginação sem limites que proporciona múltiplos pequenos prodígios.

Contudo, Charlie e a Fábrica de Chocolate possui também alguns elementos menos conseguidos, nomeadamente a construção das personagens, figuras demasiado lineares e esquemáticas, de escassa densidade emocional, onde apenas Willy Wonka e Charlie são a excepção (este último não tanto pela personagem - que não deixa de ser formatada - mas pela muito sólida e comovente interpretação de Freddie Highmore, ainda melhor do que a que o jovem actor tinha apresentado em À Procura da Terra do Nunca).
Os números musicais dos Oompa-Loompas, embora contem com a composição do quase sempre recomendável Danny Elfman, são demasiado intrusivos e muitas vezes enfadonhos, e o músico sai-se francamente melhor nas partituras instrumentais.

Mesmo com estes factores que o desequilibram, Charlie e a Fábrica de Chocolate é ainda um título refrescante e um dos mais entusiasmantes do Verão de 2005, diluindo os limites entre o real e o onírico e gerando um saboroso blockbuster offbeat. Bem vindo de volta, Tim Burton.

® Gonçalo Sá

5 Comments:

At 1:56 da tarde, Blogger membio said...

apesar da tonalidae infantil, só mesmo Tim Burton para criar um mundo "offbeat" que agrada tb ao pessoal mais adulto. É bom entretenimento, criativo, mas falha na linearidade do argumento!!!

 
At 5:36 da tarde, Blogger gonn1000 said...

Concordo, é demasiado linear, mas não é fácil fazer um entretenimento dos 7 aos 77 tão consistente.

 
At 10:49 da manhã, Anonymous S0LO said...

Eu gostei...e mai nada :P!

Abraço

 
At 2:42 da manhã, Blogger gonn1000 said...

Eh, eu também gostei :P

 
At 6:45 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Sei que não concordas comigo, mas... apesar de não atingir o brilhantismo especial de Big Fish, não deixa de ser 1 dos melhores do ano. Depp é grande! E Burton também...

Abraço

 

Enviar um comentário

<< Home