quinta-feira, dezembro 22, 2005

Shrek 2

Título Original:
"Shrek 2" (2004)

Realização:
Andrew Adamson, Kelly Asbury & Conrad Vernon

Argumento:
Andrew Adamson & William Steig

Actores:
Mike Myers - Shrek
Eddie Murphy - Burro
Cameron Diaz - Princesa Fiona


Bruto mas também meigo, grande e verde como um verdadeiro monstro, trapalhão e amigo dos animais. Assim é Shrek, de volta em mais uma aventura para crianças (?)

Eu explico o ponto de interrogação: é que tanto Shrek como Shrek 2 têm piadas “muito à frente”, como diria alguém que conheço, e portanto é complicado para as criancinhas perceberem a verdadeira essência humorística do filme. Agora, se falarmos em “criancinhas” a partir dos 14/15 anos, o caso muda de figura – e mantém-se pelas escalas etárias seguintes, exigindo até por vezes um padrão de cultura geral razoável. É que Shrek 2 pode definir-se como uma autêntica miscelânea de referências cinematográficas, e não só.

De facto, a bem sucedida sequela de Shrek, além de mostrar uma excelente- diria mesmo perfeita – adequação de vozes aos personagens (como por exemplo Rupert Everett na pele do Prince Charming), tem muito mais que se lhe diga. Há, por exemplo, um brilhante reviver de “I need a heroe” de Bonnie Tyler, aqui muito bem interpretado por uma fada-madrinha que mais parece a madrasta má da Branca de Neve e, simultaneamente, a Michelle Pfeifer que se passeia muito sensual em cima do piano em “Os Fabulosos Irmãos Baker”. Tudo na cena final do filme que até mete o tema “Living la Vida Loca”, de Ricky Martin, com o hilariante burro (Eddie Murphy) e o ridiculamente cómico Gato das Botas (António Banderas) a darem um show (com strip de chuveiro adaptado de um clip de Jennifer Lopez, “I´m glad”) para todos os “bonecos”.

Sim, é difícil de acreditar mas de facto os personagens são bonecos, e saliente-se aqui a perfeição da animação criada pelos estúdios Dreamworks, que mais uma vez não deixaram os créditos por mãos alheias. Os personagens “humanos” chegam a parecer reais, tal foi a acuidade com que foram criados, e quanto aos outros – lobo mau vestido de avozinha, Pinóquio, o fantástico e muito bem enquadrado na sequela, Gato das Botas “espanholado”, e tantos mais que não faltaram àquela que mais parece a festa cinematográfica da animação -, são mais um complemento cómico para este filme com uma história para crianças num argumento mordaz q.b. para quem quer rir e, ao mesmo tempo, voltar aos tempos de infância em que as princesas, os monstros e os sapos reinavam.

Em relação ao primeiro filme, pode-se então dizer que este Shrek 2 segue a mesma linha, só que aperfeiçoa a generalidade dos elementos: graficamente ainda mais complexo e cuidado, e uma aposta mais arrojada na componente humorística com a introdução de novas associações e personagens, bem escolhidos e bem adequados à direcção de actores. Mais uma vez, em suma, uma boa opção de entretenimento cinematográfico para miúdos e graúdos.

® Andreia Monteiro

5 Comments:

At 1:57 da tarde, Blogger membio said...

uma boa ideia adaptada ao cinema!

 
At 10:54 da tarde, Anonymous André Batista said...

Um clássico da animação, e sem dúvida um dos melhores filmes da Pixar :D Bela análise, e sim, "Shrek 2" não é mesmo um filme só para crianças ! Cumps :P

 
At 10:32 da tarde, Blogger J.P. said...

É o filme predilecto do meu pompolhinho.
Feliz Natal e tudo de bom pa ti e para os teus é o que te desejo do fundo do coração.

 
At 10:49 da manhã, Anonymous S0LO said...

Um bom filme para se ver em família :)!

Beijos e Feliz Natal

 
At 2:38 da manhã, Blogger gonn1000 said...

Entretém e não aborrece, mas tal como o primeiro acho que é um pouco sobrevalorizado...5/10

 

Enviar um comentário

<< Home