sábado, março 18, 2006

Coisa Ruim

Título Original:
"Coisa Ruim" (2005)

Realização:
Tiago Guedes & Frederico Serra

Argumento:
Rodrigo Guedes de Carvalho

Actores:
Adriano Luz - Xavier Oliveira Monteiro
Manuela Couto - Helena Oliveira Monteiro
José Afonso Pimentel - Rui
Sara Carinhas - Sofia


Coisa Ruim marcou o Fantasporto este ano, não pela quantidade de sustos que prega mas antes pelo facto de ser a primeira vez que um filme português concorre a tal festival. Realmente não é um filme que assuste ou que espalhe o terror nos sonhos das pessoas mais sensíveis. Coisa Ruim é um filme de medos, de crenças e descrenças, é um filme centralizado nas lendas e nas casas assobradas. Na tela vemos o cepticismo e a crença no demo de mãos dadas.

Uma família da cidade e moderna resolve ir viver para o interior do país. Uma casa herdada e a oportunidade de mudança de vida são os propósitos desta viagem.
O interior do país vive assombrado pelas marcas do passado, pelas marcas de lendas, pela eterna luta entre o bem e o mal. E a localidade em que esta família se insere vive assombrada por demónios, por casas assombradas, por histórias de morte e ganância que envolvem a própria família. A igreja também tem um papel importante no filme, no sentido que também dá espaço a duas frentes diferentes - a primeira alimenta os temores ao demo realizando exorcismos e a segunda procura explicações e coincidências para todos os factos.

Temos então uma família que carrega segredos como qualquer outra, mas talvez haja alguns inconfessáveis. Temos um casal que questiona o seu matrimónio, que evolui ao longo do filme como um descer duma escada, a cada susto, a cada superstição acrescentada, mais frágil fica o relacionamento entre os dois. E temos três irmãos: um miúdo muito calado que pouco ou nada ajuda em casa; uma rapariga que é mãe solteira e um outro rapaz que é estudante universitário. Os dois irmãos mais velhos carregam aos ombros um segredo com muita vontade de “gritar” mas mantém-se calado...
A família começa a ser perseguida pelas crenças às quais são cépticos: uma história carregada de morte e violação assombra a casa de Xavier (o chefe da família). O seu tetra (ou trisavô) era um homem rico que gostava de se apoderar de todas as propriedades dos camponenses. Mas houve um, o Ismael, que não quis vender a sua. E essa atitude teve um preço, a morte e violação da sua família. Com isto Ismael enlouqueceu e jurou vingança. Essa vingança perduraria durante muitos anos e infiltrar-se-ia no seio da família de Xavier, na maneira menos céptica possível e culminará dor e luto.

Quererá a história deste filme mostrar o poder da possível existência de um diabo, ou quererá antes mostrar a possível existência de um deus punidor?

Não tenham medo! Vejam o filme! Não sendo um filme capaz de chegar a um Óscar, poderá ser uma boa razão para ir ao cinema ver bom cinema português. Porém em todas as rosas existem espinhos e neste filme eles revelam-se na pressa em acabar o filme. O final tornou-se um pouco apressado, poderia ter sido melhor explorado, assim como a banda sonora que ao início faria prever que poderia ser promissora e interessante, mas que se tornou repetitiva. Mas de resto estão todos os envolvidos de parabéns!

® Inês Montenegro

1 Comments:

At 7:58 da tarde, Anonymous Isabel Fernandes said...

Vi o filme quando estreou e fiquei agradavelmente surpreendida. Há cinema português de qualidade, mas falta investir mais nisso.
cumprimentos ;-)

 

Enviar um comentário

<< Home