domingo, outubro 30, 2005

Realizador da Semana: Wes Craven

Wes Craven é considerado um dos mais marcantes realizadores de terror. Compreende-se perfeitamente, visto este ter sido um dos principais introdutores do conceito slasher movie, do qual fez brotar mais tarde o teen slasher, filmes onde abundavam mortes violentas e sangrentas a custo de um insano assassino em série.

Nascido a 2 de Agosto de 1939 em Cleveland, Ohio, o americano, após uma infância triste no seio de uma família baptista, deixou Cleveland para ir estudar literatura inglesa, e depois psicologia, em Illinois. Tornou-se professor universitário de literatura, mas desistiu para entrar no mundo do cinema. Começou como assistente de produção, passou por editor e só então se sentou na cadeira de realizador. Estreou-se com The Last House on the Left, um conto de violência chocante, baseado no filme A Fonte da Virgem, de Ingmar Bergman.
Desaparecido durante cinco anos, regressou para filmar o perturbante e, claro, violento The Hills Have Eyes, que lhe proporcionou sucesso crítico e comercial suficiente para apressar a constante corrente de obras de terror que se fazia sentir, ao ter dirigido A Bênção do Anjo Negro, horror obscuro com Sharon Stone e O Monstro do Pântano, onde o sempre presente horror aliava-se à ficção científica.
Em 1984 chegou a vez do franchise Pesadelo em Elm Street, um dos seus maiores sucessos e talvez o seu filme mais emblemático, que deu a conhecer Freddy Krueger, autêntico ícone popular do terror cinematográfico, figura maior no que respeita à cultura do susto. Pesadelo em Elm Street deu origem a várias sequelas, uma delas, O Novo Pesadelo de Freddy Krueger, foi a única dirigida por Craven, mantendo-se naturalmente na sombra do original. Depois de alguns filmes menores, com a comédia de horror Os Prisioneiros da Cave voltou às boas graças, contando com lucro e crítica respeitáveis. Novo franchise saiu das mãos de Craven ao dirigir Gritos, que se tornaria numa trilogia. Esta, viria a redefinir o conceito de terror contemporâneo onde o formato teen slasher imperava como nunca. Pelo meio, experimentou o drama musical com Melodia do Coração, inesperada acção que não se destacou particularmente. Enquanto Cursed seguirá directamente para vídeo, encontra-se em exibição Red-Eye, um muito eficaz exercício de suspense, que podia ter ido mais longe, apesar de ser uma demonstração de ousadia bem pensada.

Craven, seja irregular, tenha falta de consistência ou não seja o melhor exemplo de um autor a sério, a verdade é que tem o mérito de podermos expressar a seu respeito aquela máxima tão rara e elogiosa: “sem si o terror não seria o mesmo.”

® Artur Almeida

5 Comments:

At 1:10 da tarde, Blogger Gustavo H.R. said...

Apesar de não ter visto metade dos filmes que você citou, admiro a tenacidade e o talento de Crave. GRITOS é um dos meus favoritos de sempre.

 
At 9:07 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Não é dos realizadores que mais admiro, mas tem os seus méritos. "Gritos" foi competente, mas não sei se "Red-Eye" não será melhor.

 
At 9:20 da tarde, Blogger Knoxville said...

Wes Craven, digam o que disserem, foi o 1º a tocar em diversas técnicas argumentais dentro de certos filmes, que mais tarde originaram diversos spin-offs e imitações.

Só por isso já merece muito crédito.

Cumprimentos.

 
At 7:43 da tarde, Blogger membio said...

já nos deu muitas alegrias mas também algumas tristezas. Apesar de irregular é sempre um realizador a ter em conta.

 
At 11:30 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Knoxville e membio: Não poderia concordar mais! Tem o seu crédito, é irregular e é 1 realizador a ter em conta.

Cumprimentos

 

Enviar um comentário

<< Home