domingo, maio 27, 2007

Piratas das Caraíbas - Nos Confins do Mundo

Título Original:
"Pirates of the Caribbean: At the World's End" (2007)

Realização:
Gore Verbinsky

Argumento:
Ted Elliott & Terry Rossio

Actores:
Johnny Depp - Jack Sparrow
Orlando Bloom - Will Turner
Keira Knightley - Elizabeth Swann
Geoffrey Rush - Capitão Barbossa


Quatro anos após o enorme sucesso de Piratas das Caraíbas – A Maldição do Pérola Negra chega-nos o filme que completa a trilogia, um dos blockbusters mais esperados (e diga-se: mais publicitado) deste ano que promete fazer render as bilheteiras tal como os dois filmes anteriores.

Neste filme vamos ter as respostas às questões deixadas em Piratas das Caraíbas – O Cofre do Homem Morto: Será que Jack Sparrow, engolido pelo terrível Kraken de Davy Jones (Bill Nighy), morreu mesmo ou terá escapado graças às suas artimanhas?, Que futuro terá a relação amorosa entre Will e Elizabeth?, Conseguirão os piratas escapar à perseguição de Lord Beckett (Tom Hollander)?

Com a ajuda do seu outrora inimigo Capitão Barbossa, ressuscitado graças aos poderes de Tia Dalma (Naomie Harris), Elizabeth, Will (e a tripulação do costume) tentam encontrar o azarado Capitão Jack Sparrow. Obviamente a missão não é de todo fácil e pelo caminho terão de enfrentar em Singapura o poderoso pirata Sao Feng.

Como se isso não lhes bastasse, Lord Beckett, que com o coração de Davy Jones, domina esta medonha criatura com cara de polvo, faz uma perseguição impiedosa para acabar de vez com os piratas. Dado este perigo os piratas de todo o mundo terão de se reunir para delinear uma estratégia de defesa.

Do princípio ao fim temos uma infinidade de séries de lutas, algumas chegam a ser violentas, enegrecendo um pouco o filme que é visivelmente mais sério que os anteriores. Pirataria pura e dura. A grande desilusão de Piratas das Caraíbas – Nos Confins do Mundo vai para o facto de não possuir um argumento tão empolgante como os dois filmes anteriores. Deu-se um processo de decréscimo de interesse, para além disso o humor tão apreciado pelo público é pouco utilizado, está gasto e carece de originalidade.

No fim fica no ar a questão: este filme será mesmo o último ou futuramente teremos uma quarta parte de Piratas das Caraíbas? Na minha opinião é um risco grande para o realizador e para os produtores, arriscam-se a saturar o público. Há sempre aquela expressão: “não há filme com o primeiro”. O término das aventuras de Jack, Will e Elizabeth parece ser a melhor hipótese.

® Isabel Fernandes

3 Comments:

At 10:57 da manhã, Anonymous RJ/KritiCinema said...

Gostei muito do filme. Achei-o mas sério, negro e envolvente do que os anteriores, e os personagens secubdários como Elizabeth, Will e Barbossa evoluiram muito.

Como ele vai fazer oceanos de dinheiro parece-me natural que a Disney se sinta tentada a continuar...
Acho que não depende da vontade dos produtores, mas do actor, afinal, o que eram os Piratas das Caraíbas sem Johnny Depp?

 
At 12:33 da tarde, Anonymous Andreia Monteiro said...

Concordo contigo, Isabel. Muito embora esta trilogia não represente o meu género preferido de filme, confesso que também me rendi ao personagem Jack Sparrow - que continua a ser o elemento mais empolgante dos 3 filmes. Vi os dois anteriores, e sem dúvida que este é o pior: tem mais acção, mais lutas, mas menos humor e ritmo. O filme arrasta-se ao longo de 2h40 (totalmente escusado), e nem Sparrow salva a honra do convento. Um filme à la Bruckeimer, ora aí está.

 
At 9:49 da manhã, Anonymous Martinita said...

Acho que este filme tem muito mais que aquilo que aparenta ou o que as pessoas retêm na memória!

São piratas! egoistas, e todos procuram solucionar os seus problemas próprios sem tão pouco se importarem com os outros, aliás! se fôr necessário usar os amigos e inimigos em proveito próprio, eles nem sequer hesitam! Jack é exemplo disso mesmo!
Depois a historia do Davy Jones é fantastica! Um homem do mar com um amor doentio por uma deusa pagã. Sentindo-se traído sem contudo nunca o ser, ele ajuda a aprisionar a sua amada numa forma singela, e devido a tudo isso ele foi encubido de tomar conta dos que morrem no mar. Tornando-se um vilão terrivel, ele e sua tripulação tornam-se monstros horrendos! E o seu coração é no final de contas um grande instrumento de persuação. Controlando Davy Jones, controlava-se o mar!

Toda a historia é fantastica e está incrivelmente bem escrita!

e depois... Disney! Na disney tudo funciona bem, tudo são pormenores importantes, tudo é necessário! os trajes são fabulosos, os rostos são únicos! E um enorme empenho de todos os intervenientes para gravar este filme nas caraíbas, tanto na ilha Dominica como nas bahamas! só com muito empenho e dedicação é que se consegue um resultado tao bom!

Adorei a todos os niveis este filme!
e quantas mais vezes se vê, mais se gosta!
Incrivel Mr. Depp

 

Enviar um comentário

<< Home