quinta-feira, junho 30, 2005

Mr. & Mrs. Smith

Título Original:
"Mr. & Mrs. Smith" (EUA, 2005)

Realização:
Doug Liman

Argumento:
Simon Kinberg

Actores:
Brad Pitt - John Smith
Angelina Jolie - Jane Smith
Vince Vaughn - Eddie



Devo dizer que não sabia muito bem o que ia ver, quando fui ao cinema.
Infelizmente, por falta de tempo, não tenho tido oportunidade de ir ao cinema. E por isso ainda nem sequer tinha visto o trailer. Se bem que já tinha ouvido alguns comentários de colegas de escola ou até nas revistas cor-de-rosa que, actualmente, deliram acerca de Angelina Jolie e Brad Pitt, que dão vida ao casal Smith.
Se bem que depois de ver o filme, consigo entender perfeitamente porque é que as revistas criaram tanta especulação acerca dos dois actores: os dois funcionam muito bem juntos, não só no aspecto visual, mas também no campo da interpretação. No filme, nota-se uma certa intimidade e mesmo à vontade entre os dois, pode-se dizer que a química entre os dois funciona e é credível.
Este é, aliás, um dos pontos positivos do filme.

Para quem ainda não conhece a história do filme, Mr. & Mrs. Smith, baseia-se na história de um casal que após 6 anos de casamento perdeu o fogo que existia inicialmente. Como tal decidem recorrer a uma dessas pessoas que dão aconselhamento matrimonial (que nunca chegamos a visualizar). Essas cenas no consultório são alternadas com as cenas de acção do filme. E apesar de decorrerem em menor quantidade do que as cenas de acção, em minha opinião essas são as cenas que funcionam melhor, cobertas de algum humor, e com a tal química entre os dois actores.
De referir também que nessas cenas os actores representam directamente para a câmara (o que dá alguma dificuldade de interpretação à cena), mas eles estão mesmo muito bem nesses pequenos sketches.
O filme inicia-se precisamente com uma dessas cenas. E vai sempre intercalando com as cenas de acção que nos apresentam o passado dos dois personagens, ou melhor, a forma como eles se conheceram. Mais à frente, mostra também o dia-a-dia dos dois.

Para o casal Smith, a rotina diária tirou-lhes o fogo da paixão, e agora vivem mergulhados numa monotonia sem igual, em que os horários são sempre os mesmos.
Mas o pior é mesmo a distância que existe entre os dois. Pois, nem um nem outro sabe realmente o que cada um faz na vida profissional, vivem numa farsa.
Então é apresentado o seu dia-a-dia no trabalho e aí apercebemo-nos que ambos são assassinos profissionais, a trabalhar em empresas concorrentes.
Porém, eles acabam por se encontrar, quando ambos têm o mesmo alvo. Então, começa uma espécie de jogo do gato e do rato, com um a tentar matar o outro, de forma a não perder o emprego. Durante a perseguição que fazem um a outro, o casal Smith percebe que caíu numa cilada. Seguem-se então algumas cenas de acção.

E apesar de serem cenas de luta, cheias de armas, tiros e tudo mais. Nunca se perde o tal humor.

Aliás, o humor é algo que torna este filme diferente de outros do mesmo género. Se bem que as melhores gargalhadas surgem através da personagem interpretada por Vince Vaughn, Eddie, um dos companheiros de equipa de Pitt.

Chega-se então ao final do filme, um final nada convincente, em minha opinião. Mas Hollywood já nos habituou a estas coisas. Vejam. E julguem por vocês mesmos.

Porém, nem tudo é mau nessa cena final: Jolie e Pitt executam uma espécie coreografia enquanto disparam tiros, que de certa forma lembram uma dança, e que mais uma vez só comprova a química entre os dois.

Devo dizer que esse foi um dos aspectos da realização de Doug Liman dos quais gostei, mas há outros durante o filme.
Como não poderia deixar de ser, também gostei do humor que Simon Kinberg, o argumentista colocou na história (que é o argumentista de X-Men 3, previsto para o próximo ano), e que marcam a diferença em relação a outros filmes. Pois, assassinos, acção, luta, sobrevivência, casais com problemas conjugais, ou com vidas escondidas um do outro, são aspectos mais que explorados na longa filmologia de Hollywood. Nesse aspecto, basta referir que o anterior filme de Doug Liman, The Bourne Identity, era também ele sobre espiões e assassinos, e consequentemente com armas e luta.

Outro aspecto negativo do filme são certos momentos da história em que se perde o interesse na acção. Mas, o que é explicável pelas cerca de 2 horas que o filme tem.
Claro que Mr. & Mrs. Smith não é um filme espectacular, é mais um filme de entretenimento da empresa cinematográfica de Hollywood. E segundo esse ponto de vista, o filme até satisfaz e entretém. E ainda tem alguns pormenores bons.

® Rui Silva

4 Comments:

At 12:49 da tarde, Blogger not_alone said...

E que tal um aviso de spoilers antes das críticas... é que basicamente contast a história toda, eu por acaso já vi o filme, mas para quem não viu perde um bocado a piada...

cumprimentos....

 
At 2:31 da tarde, Blogger gonn1000 said...

Entretém q.b., já vi blockbusters piores...

 
At 11:36 da tarde, Blogger Rui Silva said...

O comentário do not_alone faz sentido. Realmente, alonguei-me demasiado na história.
Por isso, fiz agora algumas alterações.
Cumprimentos.

Rui Silva

 
At 10:24 da tarde, Anonymous soso said...

e mt giro o filme lçooooll gost mt dele quando o aluguei vio 5 vezes

 

Enviar um comentário

<< Home