quarta-feira, novembro 23, 2005

Noite Escura

Título Original:
"Noite Escura" (2004)

Realização:
João Canijo

Argumento:
João Canijo, Pierre Hodgson & Mayanna von Ledebur

Actores:
Fernando Luís - Nelson Pinto
Rita Blanco - Celeste Pinto
Beatriz Batarda - Carla Pinto
Cleia Almeida - Sónia Pinto


Sapatos Pretos ou Ganhar a Vida já tinham comprovado a singularidade de João Canijo no panorama do cinema português actual, e o título mais recente do realizador, Noite Escura, voltou a confirmar os méritos do cineasta, impondo-se como um dos melhores filmes nacionais dos últimos anos.

Inspirado na tragédia grega Ifigénia em Áulis, de Eurípedes, Noite Escura apresenta um visceral drama familiar centrado em tensos ambientes nocturnos. A tragédia propaga-se por todos os recantos do bar de alterne onde decorre o filme, interligando as vidas dos quatro elementos da família que gere aquele espaço.

Nelson (Fernando Luís), o proprietário, vê-se forçado a entregar a filha mais nova, Sónia (Cleia Almeida) à máfia russa, de forma a reparar uma dívida e reduzir alguma da inquietação e temor que contamina a sua vida. Esta decisão desperta um ciclo de acontecimentos cada vez mais claustrofóbicos e carregados de tensão, uma vez que Celeste (Rita Blanco), a mãe, e Carla (Beatriz Batarda), a filha mais velha, tentam a todo o custo evitar que a sua família seja estilhaçada.

Canijo retrata esta inevitável espiral descendente - embora a família tente contrariar o destino - com assinalável intensidade e fulgor, construindo personagens densas envoltas em atmosferas convincentes e perturbantes. A câmara segue de perto os protagonistas, denunciando os seus movimentos e expondo as suas vulnerabilidades, com um muito eficaz trabalho de realização a conseguir traduzir a agitação e carga sufocante que se propaga pela casa de alterne.
A frequente mistura de conversas paralelas deixa transparecer a atmosfera nebulosa que invade aquele espaço, e o rigoroso e sedutor cuidado na iluminação, com fortes contrastes de verdes e vermelhos, gera uma hipnótica efervescência visual, perfeitamente adequada.
Para além de um ambiente de cortar à faca, Noite Escura tem ainda a seu favor uma boa direcção de actores, dispondo de um elenco competente e capaz de dar alma às personagens (algo que, infelizmente, nem sempre ocorre no cinema português). Beatriz Batarda e Rita Blanco são particularmente soberbas, compondo duas figuras marcantes e surpreendentes que terão um papel decisivo no portentoso desenlace.

Com uma profícua combinação de ingredientes, Noite Escura é uma das boas surpresas cinematográficas de 2004 e um dos mais sólidos filmes portugueses dos últimos tempos. Um memorável murro no estômago e um sinal de vitalidade para o cinema nacional.

® Gonçalo Sá

3 Comments:

At 2:10 da manhã, Blogger Ricardo said...

Viva Gonçalo,

Concordo com a crítica mas dava mais duas estrelinhas! Recentemente também "apaixonei-me" pelo filme anterior de Canijo, Ganhar a Vida! Uma surpresa mais que agradável do nosso cinama.

Como diria a Rita Blanco para por as meninas a trabalhar: "Toca a dar andamento a isto"

Abraço,

 
At 11:28 da manhã, Blogger gonn1000 said...

LOL
Mais duas estrelinhas já acho demasiado, mas com um revisionamento, nunca se sabe...

 
At 1:13 da tarde, Anonymous S0LO said...

A ver futuramente =).

Abraços

 

Enviar um comentário

<< Home