domingo, agosto 14, 2005

Realizador da Semana: Akira Kurosawa

Akira Kurosawa é considerado unanimemente como um dos últimos grandes mestres, um dos incontestáveis gigantes e um dos maiores génios que o cinema possuiu. Nascido a 23 de Março de 1910 em Tóquio, o realizador nipónico tornou-se pintor primeiro, mas num curto período de tempo, dada a sua escassez financeira.

Quando enveredou pelo cinema, Kurosawa colheu inúmeras influências – que se viriam a revelar altamente recíprocas – ocidentais, de que são exemplo Shakespeare, Dostoyevsky ou John Ford, sua principal e seu ídolo. De acordo com a sua família, o japonês respirava cinema quase não pensando em mais nada. Até em casa, este sentava-se silenciosamente, aparentemente compondo cenas na sua cabeça.

E foi esta sua obsessão que o levaria a criar várias obras-primas, muitas absolutas, muitas verdadeiros marcos da sétima arte, tais como o vencedor do Leão de Ouro em Veneza Rashomon – Às Portas do Inferno, um estudo da relatividade da verdade, com quatro visões sobre uma violação e um assassinato; o pessoalíssimo Ikiru, a história de um homem que, ao saber que está a morrer de cancro, tenta encontrar um significado na sua vida; Os Sete Samurais, a sua obra mais conhecida e um dos mais estimulantes filmes de acção de sempre; Throne of Blood, assustadora e sensacional reinterpretação da célebre peça Macbeth de Shakespeare adaptada ao Japão medieval; Yojimbo, uma violenta e satírica reviravolta nas convenções ocidentais. Ano de 1971 e Kurosawa, deprimido, tenta suicidar-se, mas sem êxito felizmente, o homem ainda tinha tanto para dar ao Mundo e duas enormíssimas provas são Dersu Uzala – A Águia da Estepe e Ran – Os Senhores da Guerra. A primeira, uma história de grande humanismo e beleza, vencedora do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, a segunda, uma brilhante recriação da peça Rei Lear de Shakespeare reveladora da incontornável mestria do japonês em filmar samurais atormentados no meio do caos.

“O cinema é uma coisa maravilhosa, mas captar a sua real essência é muito, muito difícil”. Palavras sábias de alguém que sabe do que fala.

® Artur Almeida

10 Comments:

At 3:56 da tarde, Anonymous Luís Mendonça said...

Seven Samurai- melhor filme de sempre?

 
At 11:23 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Pois, eu reparei no teu entusiasmo extremo no forum quanto a ele:)

Dos que vi do Akira, o meu preferido é mesmo o Ran, obra-prima absoluta. Seven Samurai é a minha maior falha na sua filmografia...

PS: acho que o Sonhos merecia mais carinho...

 
At 2:20 da tarde, Blogger Daniel Pereira said...

Eu vi o excelente Rashomon e o Sonhos que, sinceramente, não me entusiasmou muito.

 
At 3:54 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Rashomon é outra falha colossal que tenho.
E compreendo inteiramente que o Sonhos seja visto como um filme menor do Akira, mas mesmo assim...

 
At 5:16 da tarde, Anonymous Samuel Maia said...

Já ouvi falar do nome deste realizador, mas infelizmente não conheço a sua obra. Contudo fiquei interessado em tentar encontrar alguns dos filmes mencionados. Concordo inteiramente com a citação, o cinema envolve uma teia de complexidades e subjectividades que nem todos entendem e por isso nem sempre quem merece realmente algo é recompensado.

 
At 2:12 da manhã, Anonymous Artur Almeida said...

Kurosawa é simplesmente obrigatório, antes de mais.
Quanto à citação, vê-se bem a Dificuldade que Kurosawa sentia em captar a real essência que tanto queria para os seus filmes. E isto não é apenas modéstia de um génio...
E já agora, o captar da real essência é simplesmente o objectivo normalissimo de um génio... que se tornou destino? Com isso das complexidades e subjectividades do cinema, é realmente muito dificil de especular, mas Kurosawa foi sim recompensado e sem nunca gozar o público. Os títulos "1 dos últimos grandes mestres, 1 dos incontestaveis gigantes e 1 dos maiores génios que o cinema possuiu" falam por si.

Cumprimentos

 
At 1:26 da tarde, Anonymous Artur Almeida said...

Bem, aproveito para dizer que a partir de agora (dia 17) até dia 25 estarei de férias no Porto, por isso, boa continuação de férias para todos e até daqui a 8 dias.

Passem bem:)

 
At 2:29 da tarde, Blogger gonn1000 said...

Boas férias, Artur, tens direito a elas depois do trabalho que tens feito aqui ()

 
At 11:09 da tarde, Blogger Álvaro Martins said...

Grande realizador, mas não o meu preferido. contudo, acho que além de todas as obras primas deste senhor que foram aqui mencionadas, ficou por mencionar aquela que é a minha preferida, a sua última obra, Madadayo(Ainda Não), que é uma admirável reflexão sobre a alegria de viver,ensinar e envelhecer.

 
At 10:00 da manhã, Blogger José said...

«A Sombra do Guerreiro», estreou, na altura, no cinema Londres. Acho que no início dos Anos 80 e apareceu na Imprensa Diária, não posso precisar qual jornal, uma crónica de um gajo, Stau Monteiro, muito engraçado e lisboeta puro, a dizer mais ou menos isto: "... que todos os realizadores do cinema português, sem excepção, deveriam tirar bilhete no Londres para um mês e ver este filme, todos os dias, três vezes ao dia, para aprenderem como se faz bom cinema..."
Penso que esta crónica diz tudo do todo Akira.

zé do laranjeiro

 

Enviar um comentário

<< Home