domingo, novembro 18, 2007

Gangster Americano

Título Original:
"American Gangster" (2007)

Realização:
Ridley Scott

Argumento:
Steven Zaillian

Actores:
Denzel Washington - Frank Lucas
Russel Crowe - Richie Roberts
Chiwetel Ejiofor - Huey Lucas
Josh Brolin - Detective Trupo


Chegou às nossas salas de cinema o mais recente filme do realizador Ridley Scott com uma respeitável dupla de protagonistas: Denzel Washington, como o gangster Frank Lucas, e Russel Crowe como o polícia Richie Roberts. Um duelo de gigantes.

A acção passa-se na Nova Iorque nos anos 70, uma cidade consumida pelo submundo da droga, numa América consumida pela Guerra do Vietmane. Frank Lucas é a verdadeira autoridade nas ruas, que ergueu sozinho um império muito organizado no tráfico de droga. Aproveitando o facto dos soldados americanos que combatiam no Vietname desenvolverem um perigoso vício de consumo de droga para se aliviarem dos horrores vividos em guerra, Frank consegue enriquecer à custa disto, conseguindo transportar drogas do Vietname através de aviões do exército americano.

Richie Roberts é um polícia discriminado pela sua honestidade e integridade que percebe que uma poderosa figura controla todo o negócio da droga na zona de Harlem, com um tipo de droga pura e barata que atrai centenas de consumidores. Conduzindo uma arriscada investigação que o faz chegar até Frank Lucas, Richie descobre a poderosa figura que até as famílias da máfia consegue controlar.

O confronto dos dois será inevitável e só um pode vencer. Embora estejam em campos opostos Frank e Richie têm factores comuns como um código de ética próprio que os faz demarcar das restantes pessoas, transformando-os em figuras solitárias. No filme a personagem de Russel Crowe, embora não perca a sua importância no desenrolar da acção da história, tem um tratamento como que secundário, deixando o brilho todo para Denzel Washington, bom até a fazer papel de mau.

Ao filme ficaram a fazer falta mais cenas de acção, para evitar que algumas partes da narrativa se tornassem monótonas, e perde-se muito tempo a mostrar cenas de tratamento de droga para vender aos consumidores. Ainda assim o realizador não se prendeu a cenas de violência gratuita e fez uma boa abordagem a essa temática do submundo do crime através do tráfico de droga, num filme baseado em factos reais.

® Isabel Fernandes

2 Comments:

At 12:50 da manhã, Blogger Pedro Lopes said...

Eu por acaso gostei que não houvesse tanta acção (parece que a violência gratuita está na moda), foi bom variar um pouco nesse aspecto. Tive também pena dos poucos e curtos momentos de narração ao estilo Casino e Tudo Bons Rapazes.

Descobri o blogue há pouco tempo, por isso, as minhas vindas até cá foram poucas. Mas uma coisa tem saltado à vista: A pontuação de sete estrelas. Porquê sempre sete? Suspeito porquê, mas não interessa. Queria apenas dizer que se devia variar mais, porque assim as pontuações tornam-se suspeitas. O que fazer? Ou variar mais ou então arranjar uma escala de 1 a 5.

De todos modos, gosto do blogue e virei cá constantemente.

 
At 11:43 da tarde, Blogger Flávio said...

Adorei o filme. Não ganha ao Padrinho, do Coppola, mas anda lá perto. E para mim, teve acção que chegue: o ritmo e o timing do realizador foram perfeitos (um exemplo: o confronto dos dois protagonistas em frente à porta da igreja)

 

Enviar um comentário

<< Home